Praça da Liberdade novamente é alvo de vândalos

Menos de dois meses após a conclusão da reforma e da reabertura da Praça da Liberdade, na região Centro-Sul de Belo Horizonte, o tradicional espaço de lazer voltou a ser alvo de vandalismo. Bancos pichados, flores pisoteadas e cercas arrancadas são alguns dos estragos feitos no local.

► Comdep intensifica trabalho na revitalização dos jardins da Praça da Liberdade

Na manhã de ontem, uma equipe da prefeitura (PBH) lavou quatro bancos que haviam sido depredados no fim de semana. À tarde, outros dois ainda tinham os encostos de braço pichados.

► Circuito Cultural Praça da Liberdade

Os crimes contra o patrimônio ocorrem pelo menos uma vez a cada quinze dias, calcula o auxiliar de jardinagem Genivaldo Alves, de 53 anos. “Desde a reforma, os estragos não são mais tão comuns, mas acontecem com alguma regularidade. Aí, limpamos com água, bucha e sabão”, conta.

Em dezembro, o Hoje em Dia mostrou casos de depredação e pichação na Praça da Liberdade e nas lunetas da rua Sapucaí. Os crimes são configurados como dano ao patrimônio público e infração ambiental, com penas de multa e até três anos de prisão

Falta de cuidado

Há cinco anos vendendo pipoca na região, Washington Silvestre, de 45, afirma que todos os dias percebe a falta de cuidado dos frequentadores. “Essa semana fiquei vendo um moço arrancar o cabo de contenção dos arbustos. Achei até que ele ia roubar, mas só estragou e deixou no mesmo lugar. Tem gente que vem até com crianças para tirar fotos e pisa nas flores do jardim. Quando é próximo de mim, sempre peço para parar, pergunto por que a pessoa está fazendo isso”, diz.

Ele, que trabalha todos os dias por lá, garante que os atos de vandalismo são mais recorrentes aos fins de semana, especialmente à noite. “Muitos jovens que não têm espaços de lazer vêm beber aqui. Eles tiram os canetões da mochila e picham, quebram as lixeiras. Revitalizaram a praça, mas as pessoas não se conscientizaram que essa obra custou dinheiro e que estão depredando um patrimônio que é de todos os belo-horizontinos”, observa.

Patrulhamento

A segurança da praça é feita principalmente pela Guarda Municipal. Ao todo, 13 agentes se revezam em turnos para garantir o patrulhamento 24 horas. Desde a revitalização, porém, a corporação registrou três ocorrências de depredação e pichação.

Há cinco câmeras espalhadas, sendo quatro delas do sistema Olho Vivo, conforme a PBH. Questionada, a Polícia Militar (PM) disse que iria levantar os dados de crimes contra o patrimônio ocorridos no espaço e afirmou que a vigilância é feita todos os dias da semana.

A MRV Engenharia, empresa que adotou a Praça da Liberdade, informou que está apurando os números de casos e os danos causados por vandalismo. Além disso, garantiu que irá tomar as “devidas providências de sua responsabilidade”.

Custo

Em nota, a prefeitura da capital esclareceu que, desde a revitalização do local, a manutenção – como poda de árvore, sistema de irrigação, fontes e capina – é de responsabilidade da Secretaria Municipal de Obras e Infraestrutura. Atualmente, nove pessoas trabalham por lá. O custo para a reposição dos componentes de irrigação dos canteiros e reparo do bebedouro, também alvo de vândalos após a reforma, foi de aproximadamente R$ 6 mil.

 

Via: hojeemdia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *